A partir do mês de maio, duas grandes editorias do Estado de S. Paulo se unem para debater como as cidades têm lidado com os desafios da modernidade. Jornal do Carro* e Seu Imóvel estão juntos no caderno Mobilidade para descobrir de que maneira grandes empresas têm incorporado aos seus lançamentos preocupações com eficiência, comodidade, acessibilidade e inteligência.

José Alves, diretor do núcleo de Mobilidade do Estadão, explica que a iniciativa de formular um caderno temático tem a intenção de colocar o foco dos debates nas necessidades das pessoas, prestando serviços na entrega do conteúdo e repercutindo soluções para ganho na qualidade de vida. “Vamos mostrar tudo o que pode fazer parte da nossa rotina e colaborar com informações para o planejamento do cotidiano. Nossa missão é encontrar alternativas, trabalhar pelo público.”

“Essa união de marcas e propósitos que o Seu Imóvel e o Jornal do Carro fizeram parte de uma necessidade transversal que diz respeito à locomoção e moradia”, conta Guilherme Paiva, diretor do núcleo de Imóveis. Ele lembra as diferentes iniciativas de compartilhamento de carros e bicicletas que estão mudando a paisagem urbana. “Alguns de nossos parceiros desta edição já incorporam essas dinâmicas, como a Eztec, que prima pelas localizações estratégicas, a KeyCash, com compra e venda de imóveis de maneira imediata ou a Vitacon, que oferece a possibilidade de alugar um carro ou bicicleta dentro do próprio empreendimento.”

Compartilhamento em todos os setores

É possível encontrar de tudo. Depois do serviço de carro para aluguel entrou em cena o carro por aplicativo, bicicletas, scooters, patinetes e monociclos compartilhados e até moradias (cohousing) ou endereços comerciais coletivos (coworking). A necessidade da propriedade sai de cena e as pessoas passam a pensar na utilização de espaços por demanda, sem desperdícios ou compromissos financeiros de longo prazo.

O caderno Mobilidade de maio ressalta um sintoma evidente da nova mentalidade: a expansão das ciclovias e ciclofaixas nas principais capitais brasileiras. Hoje, são 3.291 km de vias destinadas aos ciclistas. Só em São Paulo já são 503,6 km de vias com tratamento cicloviário permanente, sendo 473,3 km de ciclovias e ciclofaixas e 30,3 km de ciclorrotas, de acordo com a Companhia de Engenharia de Tráfego. Mas a prefeitura da cidade espera dispor de mais 1.420 km até 2028, com projetos de implementação que estão em progressão.

Além disso, a expansão das linhas de metrô e trem continua por toda a cidade, com 7,8 milhões de pessoas usando o transporte sobre trilhos todos os dias. Além das seis linhas que cruzam a cidade atualmente, o metrô reservou R$ 32 bilhões para a construção de mais cinco linhas, que devem ficar prontas nos próximos anos. O mercado imobiliário já tem vivido os efeitos dessa nova realidade. Pesquisa realizada pela Geoimovel – Grupo Zap, empresa de informações estratégicas do setor imobiliário, detectou que as propriedades que ficam a menos de um quilômetro de uma estação de metrô podem valer, em média, 16% mais do que aquelas fora desse raio privilegiado, ainda que no mesmo bairro. E a mesma tendência também tem sido observada com relação às ciclovias e ciclofaixas na cidade de São Paulo.

O que é o caderno Mobilidade?

– Um tabloide mensal com 24 páginas ou mais.

– Circulação de 50 mil exemplares.

– Distribuição gratuita em 50 principais pontos da cidade de São Paulo, como os cruzamentos mais movimentados, saídas de estações de metrô e trem, terminais de ônibus e locais de grande movimentação de pedestres, como esquinas da Avenida Paulista e Faria Lima.

*O Jornal do Carro continua circulando normalmente às quartas-feiras no Estadão.